Caixas de sobra – Ep. 08

(Não viu os últimos capítulos ainda? Clique aqui!)

– O que é que tem nesse monte de caixa, aí, amigo?

O mecânico rodeia o carro, deslizando os dedos pela lataria avariada. Santos Passos responde no automático, sequer ouve sua própria voz. Sente a ausência do relógio no pulso, a sensação fantasmal da pulseira de plástico, o alarme ecoante na memória.

– Pra fazer a lataria e tudo mais, é trabalho pra mais de uma semana, amigão…

Algo mudou na estrada. O mundo foi substituído por um teatro caricato de si mesmo. O mecânico anda de um lado a outro tagarelando com uma boca de marionete, balançando toscamente seus braços e pernas de madeira. O céu, mais opaco que nunca, fundo tocável por trás das árvores intrigantemente uniformes de background genérico. Lembra de De volta para o futuro. Para viajar no tempo, era necessário acelerar a uma grande velocidade. Quando todo o público pensava que o acidente era iminente, Martin cruzava as teias de realidade em direção ao passado ou ao futuro.

– Agora se é só pra seguir caminho vai precisar dar um jeito no carburador, trocar uma das rodas da frente e verificar o óleo, até amanhã a gente resolve.

Algo mudou na estrada. O carro já está parado, mas Santos Passos continua acelerado. Seu coração roda a 200 km/h. Está na lanchonete do posto. Pela janela, o mecânico-marionete se enfia pelas entranhas do velho automóvel. O rádio canta Blowing in the wind entre chiados, enquanto o café desce quente por sua garganta. Uma mosca, único ser de fato vivo ali, cruza impune entre um caminhoneiro à beira da morte e seu flerte para a garçonete há pouco na vida.

– O senhor vai querer ketchup?

Santos Passos pergunta sobre o hotel mais próximo. “Lótus vermelha”. Três quilômetros à frente. Ao partir caminhando pela estrada, sente, mesmo sem olhar, que mecânico, caminhoneiro e garçonete se reúnem no pátio do posto para se despedir, como num fim de peça. O vento trafega pela via expressa e as caixas vão ficando pra trás. Pelo menos até a próxima manhã.

– Alô?

Sem o Cássio, o tempo, pouco a pouco, se desprende da mente, vai se tornando hábito pitoresco. Está deitado em uma cama redonda e vermelha, olhando para o mundo através do espelho do teto e o Santos Passos em tudo inverso que lá mora. Na TV, cientistas aventam a possibilidade da existência de aliens e há biscoito recheado no frigobar. A voz no outro lado do anacrônico fio é de quem acabou de acordar. Santos Passos dá bom dia.

– Pai?

É difícil explicar o que ele mesmo não entende. Precisar o momento exato de sua decisão ou seus motivos. Criar um discurso que não pareça tão ridiculamente teatral, artificioso. A própria voz do garoto, filtrada pelo fone de um milênio passado, soa a novela dos anos 80. É difícil não parecer mais um caso de abandono, uma fuga covarde ou qualquer outro clichê. Mas algo mudou na estrada. Pouco antes do acidente, o ponteiro do velocímetro tremendo, o vento sendo rasgado pelo metal. Santos Passos gritou pela primeira vez na vida. Não um grito instintivo, de medo. Mas um grito voluntário, despropositado, a simples afirmação de por primeira vez sentir o gosto da ausência de destino, de dever, de rotina. Santos Passos sentiu-se eclodir de uma caixa na qual havia entrado há muito tempo atrás. E o mundo fora dela era inteiramente novo e diferente.

– Avisa pra sua mãe que eu vou demorar a voltar…

Pedro Sasse

Não perca, na próxima quarta-feira, 20h, o próximo episódio de Caixas de Sobra!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s