Caixas de Sobra – Ep. 29

[Quer ler os episódios anteriores? Clique aqui]

Passado e presente se confundiam em um espiral de vozes e imagens. A fogueira e cantoria da vila. O dia das crianças no shopping. A primeira entrega. Pandora e sua mania de conversas com os personagens da TV. Os pedaços de corpo no hotel. Os gemidos abafados atrás da porta. O jagunço sem fôlego que cruza a entrada correndo.

– Acertaram o Das Dores lá perto do riacho, chefe. Ou tem milico atrás do equipamento ou é o tal delegado que tá no pé do Caixa.

A tropa, como esteira de produção, põe-se em marcha: embala, guarda, arma, veste, vigia. Na coreografia precisa da empiria, apenas o líder mantém-se estático. Seus olhos captam cada tremor na carne de um Santos Passos em desespero contido.

– Ainda estou esperando uma história, senhor Caixa. Os homens estão subindo e vamos você e eu pro inferno juntos se ela demorar.

Angélica tenta falar. É dissuadida pela sutil tensão no dedo do gatilho. Do lado de fora, os pássaros noturnos alertam no revoar de suas asas o avanço de corpos estranhos arrastando-se pela sombra.

– Você vai confiar em mim porque eu estou desesperadamente mais fodido que você… chefe.

A fala de Passos é puro reflexo medular. Uma nascente de palavras surge em sua boca, longe de qualquer reflexão prévia. Apenas descobre o que fala quando ouve a voz distante. Memória e pensamento, agora, dão lugar a um chiado agudo que se sobrepõe a todos os sentidos.

– Você vai confiar em mim porque a última coisa que eu preciso é de mais gente atrás de mim. Quem tá subindo não é a polícia, nem o exército, nem nenhuma força com que vocês estão acostumados a lidar. Estou tentando avisar desde que você chegou. Os onze estão vindo pra recuperar o décimo segundo. É possível sentir na tensão da mata. Eu não estou fugindo da polícia por medo de ser preso, você entende? A prisão seria um lugar de paz. De descanso. Mas quem está atrás de mim não encontraria dificuldade em me fazer acordar com doze furos nas costas no pátio de uma penitenciária. Quem está atrás de mim não encontraria dificuldade em invadir uma área tomada por forças armadas nem em mandar pelos ares esse barraco. Eles não estão interessados em dinheiro, nem poder, nem prestígio, nem sexo. É uma ideia. Inabalável. Incansável. Me perseguindo em cada pesadelo, atropelando essa realidade de papelão em que vocês vivem. Foi o que fizeram no hotel. E antes disso em São Paulo, quando ela abriu a… É por isso que você vai confiar em mim. Você vai querer me lançar como um pedaço de carne quando os cachorros avançarem raivosos na sua direção. Você vai querer que eu seja um problema distante quando eles chegarem aqui.

A arma passa da mesa para o coldre. Os olhos, antes focos fixos, são agora pequenas redes tentando captar no ar o perigo que pressentem. Com certa resistência, o dito chefe estende uma maleta metálica para Angélica.

– Cachorro louco esse aí. Tenho certeza que vai se dar bem com o Pablo.

Tiros ao longe indicam a hora de partir.

Pedro Sasse

Não perca, na próxima quarta, 20h, mais um episódio de Caixas de Sobra.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s