“Ovelhas elétricas”, por Luciano Cabral

“é possível notar alterações na cor da pele do rosto e do pescoço principalmente, o corpo humano também produz secreções, a mais importante a se imitar, porque mais visível, é o suor, que comprova o esforço físico dispensado ao ato, o suor é o elemento que atesta a veracidade da energia dispensada, a quantidade e facilidade com que é  produzido sofre variações mas deve-se fazer com que gotas escorram pelos poros para que o esforço seja considerado significativo”

Escrito por Philip K. Dick em 1968, Do Androids Dream of Electric Sheep? foi, sem dúvida, um marco para a ficção científica, sendo responsável por fornecer as bases do eterno Blade Runner. Em um mundo em que a tecnologia foi capaz de reproduzir cada detalhe do corpo e da pisque humana, ainda há uma fronteira entre homens e máquinas? Com o aumento exponencial do uso de IAs no dia-a-dia, o problema da consciência robótica e o abalo ontológico do homem está cada vez mais presente na ficção e nos debates filosóficos.  Bebendo dessas questões e em homenagem à obra de K. Dick, o poligrafia oferece hoje “Ovelhas elétricas”, de Luciano Cabral.

Ler “Ovelhas elétricas”, de Luciano Cabral

Mais sobre o autor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s