A literatura deve falar de estupro?

Por Luciano Cabral “[…] Pereba desceu as escadas sozinho. Cadê as mulheres?, eu disse. Engrossaram e eu tive que botar respeito. Subi. A gordinha estava na cama, as roupas rasgadas, a língua de fora. Mortinha. Pra que ficou de frozô e não deu logo? O Pereba tava atrasado. Além de fudida, mal paga. Limpei asContinuar lendo “A literatura deve falar de estupro?”

O que nos faz escrever bem: inspiração ou técnica?

por Luciano Cabral   A pergunta que faço hoje tem origem numa dicotomia instigante, embora espinhosa: escrever bem é fruto de inspiração ou técnica? Ou posso perguntar, mais filosoficamente, deste modo: nascemos escritores ou nos tornamos escritores? No poema Theogonia, de Hesíodo, as Musas são personificações da memória absoluta (por transmitirem o passado) e daContinuar lendo “O que nos faz escrever bem: inspiração ou técnica?”

A política brasileira hoje e Machado de Assis

Neste momento de instabilidade política no país, uma figura literária do século XIX parece ter percebido o que nós ignoramos. Se a direita e a esquerda são antagônicas fora do planalto, dentro dele as coisas parecem seguir o rumo da conveniência. E eis que Machado de Assis, o bruxo do Cosme Velho, brinda-nos com seu sempreContinuar lendo “A política brasileira hoje e Machado de Assis”