Especial “Tempo(s)”

Clique aqui para baixar a versão para PC Clique aqui para baixar a versão para celular Tempo(s) Todos esses meses encerrados em casa pela quarentena nos faz pensar sobre a passagem do tempo. Enquanto os dias passam lentos e se esticam entre livros e lives, os meses voam sem os eventos que normalmente ancoram nossaContinuar lendo “Especial “Tempo(s)””

Caixas de Sobra – Ep. 34

[Ainda não leu os episódios anteriores? Clique aqui] fonte: https://cdn.pixabay.com/photo/2016/07/16/16/20/snake-1522257_960_720.jpg uma serpente cruza o caminho de Passos, ele cruza os dedos lembrando as contas do rosário, sibila um verso da oração antiga, vade retro a serpente continua seu rastejar em busca de alguma centelha de esperança que se esforça por se manter viva, não foi para isso queContinuar lendo “Caixas de Sobra – Ep. 34”

“I.H.P.I.H.P”, por Gabriel Sant’Ana

“As atuais pesquisas do Instituto de Progressos Educativos determinam que sejam desenvolvidas competências cognitivas e socioemocionais, sendo necessária uma reformulação dos currículos, grades de horários, arquitetura físico-mental dos equipamentos escolares. Fica determinado o fim do uso da palavra “escola”. Todos os espaços deverão ser responsáveis pelo desenvolvimento cognitivo e socioemocional dos cidadãos, de acordo comContinuar lendo ““I.H.P.I.H.P”, por Gabriel Sant’Ana”

“Fodase!”, de Gabriel Sant’Ana

“Palavrão arranhado no assento, próximo às pernas, sinal emblemático da posição em que o corpo tenta reorganizar suas forças desestabilizadas, nesta posição as mãos apoiam a cabeça para que não sofra tanto com a pressão da gravidade da situação, e também as mãos que se sustentam ao contato sofrível dos cotovelos sobre a calça, nesteContinuar lendo ““Fodase!”, de Gabriel Sant’Ana”

“Tollebat citharam (I Sm 16, 23)”, por Gabriel Sant’Ana

dedilhava delicadamente de Saul a cítara e o sentimento recedendo o outro espírito ressentido rasgando ao sair com garras a pele pelo sumo divino esquecida leves ficando os humores por dedos leves assovios harmônicos impaciente e grave rosto brando e suave formando antipático demônio de traços grosseiros incitando à diva aversão cítara pesado corpo real sacolejaContinuar lendo ““Tollebat citharam (I Sm 16, 23)”, por Gabriel Sant’Ana”

“outra vez bolo de nozes”, por Gabriel Sant’Ana

insistentemente bate com o martelinho a noz para fazer o esperado bolo de nozes deste natal com nosso punho fortemente mãos seguras firmemente estraçalhando em miúdos pedaços as nozes repete as batidas em agressividade crescente constantemente daqui algumas horas virão nossa sogra nossos sobrinhos com seus sorrisinhos felizes de uma felicidade oca e transparente seusContinuar lendo ““outra vez bolo de nozes”, por Gabriel Sant’Ana”

“M.N.”, por Gabriel Sant’Ana.

“Uma forte emoção faz vibrar Manuela. As imagens borradas de sua infância vão se desembaraçando. Inconsciente, sua mão desliza sobre as cicatrizes da nuca e das costas. Não foram pela queda da bicicleta ou do balanço quando tia Ilda a levava ao parquinho da praça… Não poderiam ser.” Após o intrigante caso conspiratório alemão deContinuar lendo ““M.N.”, por Gabriel Sant’Ana.”

“Retorno para ti”, de Gabriel Sant’Ana

“Sr. Banvu, demonstrações de nervosismo, mesmo para pessoas da sua idade, são um sério sinal. Seria melhor, para o próprio encaminhamento das investigações, que o senhor cooperasse, inicialmente se acalmando. Os mais nervosos são sempre mais difíceis e nos forçam ao que não seria necessário. Veja estas fotos. Consegue nos dizer o que o senhorContinuar lendo ““Retorno para ti”, de Gabriel Sant’Ana”

“Cuidado, piso molhado!”, por Gabriel Sant’Ana

“(…) Existem várias formas, maneiras de se matar alguém. Não perderia tempo estudando medicina, de que adianta saber os nomes dos músculos, ossos, veias, se o que importa mesmo é o sofrimento da vítima? Aquele shopping, aquelas pessoas, aquela situação, aquele ar condicionado, aquele médico, aquele trem, aquela sua casa, aqueles seus parentes, seus vizinhos.” DandoContinuar lendo ““Cuidado, piso molhado!”, por Gabriel Sant’Ana”