Especial “Tempo(s)”

Clique aqui para baixar a versão para PC Clique aqui para baixar a versão para celular Tempo(s) Todos esses meses encerrados em casa pela quarentena nos faz pensar sobre a passagem do tempo. Enquanto os dias passam lentos e se esticam entre livros e lives, os meses voam sem os eventos que normalmente ancoram nossaContinuar lendo “Especial “Tempo(s)””

“Tesseract”, por Jonatas T. Barbosa

“Não consegue ver bem o próprio rosto. Respira fundo. Conduz a navalha, observando os borrões de pasta de dente. Encosta o fio à altura da garganta. Quando eleva o pulso, a lâmina escorrega. Ele ajustou mal o barbeador. A navalha está solta. Não sente dor a princípio. Mas se assusta quando põe o dedo eContinuar lendo ““Tesseract”, por Jonatas T. Barbosa”

“Saída de emergência”, por Jonatas T. Barbosa

“O ruído das caixas de som dessa vez viera agudo, quase inaudível. Todavia, ele compreendera bem a mensagem, o sinal. Nada havia começado ainda. Era apenas um prelúdio. Um círculo familiar onde fim precedia o princípio. Um túnel aberto. Atravessava o tempo e o espaço, dentro e fora de sua mente. O caminho direto paraContinuar lendo ““Saída de emergência”, por Jonatas T. Barbosa”

“Ódio ao lado”, por Jonatas T. Barbosa

“Não devia ter reagido, sr. Lang. Não devia ter voltado pra casa. Não devia ter pego a arma escondida na sala. Deve ter se assustado com o sangue na soleira dando boas vindas. A natureza é simples. A natureza não usa fantasia de Deus. Ele não entendeu na primeira vez. Aquele cheiro de tripas assadasContinuar lendo ““Ódio ao lado”, por Jonatas T. Barbosa”

“Mikhail recebe uma carta”, por Jonatas T. Barbosa

“Em período de paz o sol não nascia naquele lado do mundo. Era como se aquelas terras frias houvessem mergulhado num fluído negro e fossem assim esquecidas pelo céu.” O calor do oriente médio parte e com ele partem a Fez de “Mosaico” e a Jerusalém de “Via Dolorosa”. Em meio a neve, conheça aContinuar lendo ““Mikhail recebe uma carta”, por Jonatas T. Barbosa”

“Praia do urso”, por Jonatas T. Barbosa

“Marie despertou vomitando água salgada que escapulia pelo nariz e sentindo o fedor de pelo molhado. Não sabia quanto tempo se passara, mas já estava escuro. A lua minguava como uma lâmina. Ela sentia apena dor de cabeça. O resto do corpo parecia ileso. Passou a mão pela barriga, flanco e coxas. As pernas estavamContinuar lendo ““Praia do urso”, por Jonatas T. Barbosa”