Quer uma dica sobre o que assistir neste fim de semana? Experimente “Ares”.

ARES

por Lucas Carvalho

As distopias têm passado por maus tempos. Com a recente popularização do gênero, inclusive entre o público adolescente, não surpreende nos depararmos com títulos que abordam “temas profundos”, mas não conseguem nem de longe causar o impacto que pretendem.

Na indústria estadonidense, por exemplo,  são poucas as produções de distopias que realmente valham a pena. Uma amostra dessas poucas é o magistral retorno de Mad Max, em 2015. Mas o que mais tivemos de realmente bom de lá pra cá?

Talvez por isso, os olhos do público voltem-se para filmes não-americanos, como o coreano-francês Expresso do Amanhã [Snowpiercer], ou filmes pelo menos baseados em premissas para além da terra do tio Sam, como O Vigilante do Amanhã [Ghost in the Shell]. A propósito, porque será que os tradutores brasileiros gostam tanto de colocar o termo “do amanhã” nos títulos?.

A verdade é que, no meio de algumas dessas produções, podemos encontrar verdadeiras pérolas. Creio que esse seja o caso do filme francês Ares.

Dirigido por Jean-Patrick Benes, e contando com a atuação de Ola Rapace e Micha Lescot, Ares foi capaz de criar um mundo futurista e pessimista surpreendentemente convincente.

Ares é o nome artístico de um decadente lutador de um show de televisão estilo UFC, que teve o fim de seus dias de glória há dez anos, após um AVC causado pelo efeito colateral de uma droga estimulante, da qual foi cobaia. Numa Paris arruinada, imersa em instabilidades políticas, onde um corporativismo desumano toma conta de tudo, Ares precisa lidar com problemas do cotidiano: familiares envolvidos em grupos revolucionários criminalizados, violência urbana, miséria. A solução para seus problemas surge quando uma nova droga, compatível apenas com seu sangue, faz com que o interesse de uma grande corporação recaia sobre sua carreira.

O background é perfeito. A cidade emana uma atmosfera que poucas distopias conseguiram atingir. Os personagens são persuasivos e cativantes. O enredo é bem amarrado, interessante, tenso e com boas cenas de ação. Em suma, Ares tem todos os ingredientes para ser um dos melhores filmes do gênero.

E, a boa notícia, pode ser facilmente encontrado no catálogo da Netflix.

“Ovelhas elétricas”, por Luciano Cabral

“é possível notar alterações na cor da pele do rosto e do pescoço principalmente, o corpo humano também produz secreções, a mais importante a se imitar, porque mais visível, é o suor, que comprova o esforço físico dispensado ao ato, o suor é o elemento que atesta a veracidade da energia dispensada, a quantidade e facilidade com que é  produzido sofre variações mas deve-se fazer com que gotas escorram pelos poros para que o esforço seja considerado significativo”

Escrito por Philip K. Dick em 1968, Do Androids Dream of Electric Sheep? foi, sem dúvida, um marco para a ficção científica, sendo responsável por fornecer as bases do eterno Blade Runner. Em um mundo em que a tecnologia foi capaz de reproduzir cada detalhe do corpo e da pisque humana, ainda há uma fronteira entre homens e máquinas? Com o aumento exponencial do uso de IAs no dia-a-dia, o problema da consciência robótica e o abalo ontológico do homem está cada vez mais presente na ficção e nos debates filosóficos.  Bebendo dessas questões e em homenagem à obra de K. Dick, o poligrafia oferece hoje “Ovelhas elétricas”, de Luciano Cabral.

Ler “Ovelhas elétricas”, de Luciano Cabral

Mais sobre o autor

“Alice, ou a breve existência do universo”, por Pedro Sasse

“Eu não sou capaz de responder isso, Sara. Mesmo vocês não sabem exatamente o que é um sentimento. Um conjunto de interações neurológicas? Bioquímica? Uma alma imaterial que os faz diferentes, especiais? Sempre me disseram que eu emulo as emoções dos seres humanos, mas que é apenas um teatro. Mas sempre disseram que o teatro é algo voluntário. Você precisa querer fingir. Eu não quero parecer triste. Eu não gosto disso. Como pode ser isso um teatro?”

Já ouviu aquela velha história sobre a enorme semelhança entre o cérebro humano e o espaço sideral? Ou aquela que em cada célula humana pode haver um universo?  Pode parecer papo alternativo, mas suponhamos o seguinte: dispondo de uma infinita quantidade de papel, lápis e tempo, dispensando qualquer necessidade fisiológica e escrevendo sem parar, conseguiríamos nós escrever uma trama tão complexa e rica quanto o próprio universo ou em algum ponto a criatividade humana encontraria seu fim? Se de fato, fosse possível, o resultado não seria um universo saído inteiramente da nossa cabeça? Mantenha a questão em mente enquanto nos acompanha nessa curiosa história.

ler “Alice, ou a breve existência do universo”

Mais sobre o autor

“I.H.P.I.H.P”, por Gabriel Sant’Ana

“As atuais pesquisas do Instituto de Progressos Educativos determinam que sejam desenvolvidas competências cognitivas e socioemocionais, sendo necessária uma reformulação dos currículos, grades de horários, arquitetura físico-mental dos equipamentos escolares.

Fica determinado o fim do uso da palavra “escola”. Todos os espaços deverão ser responsáveis pelo desenvolvimento cognitivo e socioemocional dos cidadãos, de acordo com suas especificidades. ”

Iniciar a História de Progresso

Iniciar a História de Paz

As distopias, principalmente as clássicas, são caracterizadas por sociedades autoritárias, em que há um grande controle sobretudo da língua, e consequentemente do pensamento. A novilíngua para Orwell, a restrição à literatura em Huxley, qualquer expressão não ordenada logicamente em Zamyatin. Gabriel Sant’Ana, com grande apreço por uma literatura fragmentária, traz um recorte dessas regras por trás de uma sociedade regida por curiosos princípios. Dando ao leitor acesso apenas a uma pequena fresta desse mundo, cabe a nós o trabalho de recheá-lo, ou explorar sua, ainda que breve, complexa superfície.

Iniciar a História de Progresso

Iniciar a História de Paz

Ler “I.H.P.I.H.P”

Mais sobre o autor

“Tesseract”, por Jonatas T. Barbosa

“Não consegue ver bem o próprio rosto. Respira fundo. Conduz a navalha, observando os borrões de pasta de dente. Encosta o fio à altura da garganta. Quando eleva o pulso, a lâmina escorrega. Ele ajustou mal o barbeador. A navalha está solta. Não sente dor a princípio. Mas se assusta quando põe o dedo e nota o fluido vermelho pingando no chão”.

O tesseracto, também conhecido como hiper cubo, é um polícoro. Isso significa que ele é um objeto tetradimensional. Da mesma forma que uma sucessão de quadrados perpendiculares é capaz de formar um cubo, uma série de cubos perpendiculares é capaz de formar um tesseracto.  Enquanto seres da terceira dimensão, não podemos mais que fingir que imaginamos um tesseracto, uma vez que sua real forma, disposta ordenadamente pela quarta dimensão, nos escapa à representação visual. Resistindo, assim, ao sensível, o tessaracto apenas pode ser capturado de duas formas: através da rede rígida da matemática ou da movediça areia da literatura. Uma vez que nos foge o domínio das regras geométricas, oferecemos aos leitores, hoje, um hiper cubo de letras.

Ler “Tesseract”

Mais sobre o autor

“Jogos mentais”, de Lucas M. Carvalho

“Certo filósofo fala sobre um gênio maligno. É basicamente aceitar a existência de uma divindade que orquestra toda a realidade, mas considerar que ela é má. Ou seja, a motivação de tudo é maliciosa, um jogo sádico. As cores, os cheiros, o calor, o céu e a terra são ilusões feitas por ela. E se nós formos apenas joguetes desse ser?”

Você monta um quebra-cabeça. “Falta um pedaço dessa nuvem”, pensa. Vasculha entre as centenas de fragmentos até encontrar as curvas suaves e esbranquiçadas. É peça é perfeita. Mas não encaixa. Chega bem perto de se acomodar entre as frestas do todo. Mas não encaixa. Nessa hora, todos nos deparamos com o dilema: aceitar sua ineficácia em achar a peça certa ou acreditar que é o jogo que está errado. O conto de hoje me lembra essa situação. As peças parecem certas. Por que, então, não encaixam? Acompanhe conosco “Jogos mentais”, de Lucas M. Carvalho.

Ler “Jogos mentais”

Mais sobre o autor

Polistórias: Sci Fi

“A escuridão aumentava rapidamente. Um vento frio começou a soprar do leste em lufadas enregelantes, enquanto os flocos de neve caíam com maior intensidade. O mar se encrespou levemente, com um murmúrio longínquo. Afora esses ruídos da natureza, tudo era silêncio. Silêncio? Difícil descrever a profundíssima quietação que pesava sobre o mundo. Todos os rumores da humanidade, o balido dos rebanhos, o canto dos pássaros, o zumbido dos insetos, a agitação que forma como que a música de fundo de nossas vidas – tudo calara.”

A máquina do tempo (1895), de H. G. Wells.

Como leitor do século XXI, sinto que a ficção científica, cada vez mais, tem dificuldades de tocar a sensibilidade do leitor. Muitas delas são e sempre serão interessantíssimas, com enredos sólidos, abordagens inovadoras e construções de ambientes complexos e ricos em detalhes. Mesmo diante da exuberância de assistir Prometheus (2012), do veterano Ridley Scott, em um cinema IMAX 3D com Dolby Digital 7.1 – o que já soa, por si só, um aparato de ficção científica –, não pude sentir o aperto no peito diante da magnitude esmagadora do universo, de suas forças insondáveis, da presença ínfima do homem nesse colossal vazio. Foi bonito, interessante mas lhe faltava o Sublime.

Acredito que parte do problema seja o excesso de informação. Lovecraft já dizia que o maior temor do homem é o desconhecido. E dizia isso em um tempo no qual se começava a construir as noções modernas da real dimensão do universo. Às vésperas dos 80 anos de sua morte, está cada dia mais difícil dar de cara com o desconhecido. Uma rápida passagem pelo google me permite explorar cada centímetro da Terra, da Lua ou de Marte. Saber a distância de qualquer Sol. Ter acesso a qualquer idioma conhecido. Observar qualquer rua de qualquer grande cidade. Ver documentários sobre milhares de temas.  O problema, nesse cenário, já é outro: diante de tanta informação, muitas vezes conflitante, como escolher sua pauta para a realidade?

Outra questão é o próprio vigor do gênero. Após mais de um século de ficção científica, em que foram explorados planetas distantes, viagens no tempo, clonagem, o centro da Terra, o fundo do mar, dinossauros ressuscitados, alienígenas, vírus mortais, meteoros, mudanças climáticas catastróficas, inteligência artificial e um sem-fim de outros temas, há ainda como, de fato, surpreender o leitor ao ponto de abalar suas convicções, de maravilhá-lo ou aterrorizá-lo diante de uma nova visão da realidade?

A citação que abre esse breve ensaio foi a última vez em que eu pude sentir essa fagulha do sublime. A maior parte de A máquina do tempo, acredito eu, para um leitor contemporâneo, se enquadra no problema geral: é muito interessante, mas incapaz de surpreender. Lendo sem grandes expectativas, contudo, me deparei com um final surpreendente para aquela viagem (spoiler alert): o protagonista, após sua longa jornada pelo futuro, não retorna simplesmente ao passado. Ele continua avançando na ânsia humana de presenciar o próprio crepúsculo da existência terrestre. Conforme o Sol morre, o planeta se torna gelado e escuro, e toda vida se extingue, a máquina continua acelerando, até que não sobre mais que o silêncio aterrorizante em consonância com o frio universo que nos rodeia. Nesse momento, eu pude me ver no lugar do personagem. Em pé, contemplando o último sopro de vida rastejar por uma desolada rocha gélida orbitando os momentos finais do mesmo Sol que banhou toda a história da humanidade. A sensação é aniquiladora. Faz você fechar o livro e respirar fundo. Faz você estranhar o próprio cotidiano durante algum tempo, como uma espécie de efeito retardado. Tudo parece alheio. Frágil. Tudo parece ter um pouco menos de importância.

Se eu pude sentir isso em pleno século XXI, imagine como deve ter sido a experiência para um leitor nos momentos finais do século XIX. Esse é o sentimento de que, creio, um bom sci fi deva transmitir. Ainda que seja difícil, não afirmo que seja impossível. Claramente, mesmo hoje alguns conseguem chegar lá (ou bem perto): 2001: uma odisseia no espaço (1968), Contato (1997) ou  Inception (2010), por exemplo.

Depois de uma apresentação assim, acabo criando expectativas difíceis de cumprir. Caso consigamos, contudo, ainda que uma fração desse impacto, que consigamos alguns minutos de reflexão, com sorte alguns leitores viajando em sua própria mente, expandindo as ideias propostas nesses contos, consideraremos um bom trabalho.

Dessa forma, apresentamos a vocês leitores o quinto ciclo de nosso projeto de contos, o Polistórias: Sci Fi. Embarque conosco em cinco viagens pelos confins da realidade e explore livremente os cinco universos criados pela colisão da ciência com o lado mais selvagem da imaginação.