“Retorno para ti”, de Gabriel Sant’Ana

“Sr. Banvu, demonstrações de nervosismo, mesmo para pessoas da sua idade, são um sério sinal. Seria melhor, para o próprio encaminhamento das investigações, que o senhor cooperasse, inicialmente se acalmando. Os mais nervosos são sempre mais difíceis e nos forçam ao que não seria necessário. Veja estas fotos. Consegue nos dizer o que o senhorContinuar lendo ““Retorno para ti”, de Gabriel Sant’Ana”

“Mikhail recebe uma carta”, por Jonatas T. Barbosa

“Em período de paz o sol não nascia naquele lado do mundo. Era como se aquelas terras frias houvessem mergulhado num fluído negro e fossem assim esquecidas pelo céu.” O calor do oriente médio parte e com ele partem a Fez de “Mosaico” e a Jerusalém de “Via Dolorosa”. Em meio a neve, conheça aContinuar lendo ““Mikhail recebe uma carta”, por Jonatas T. Barbosa”

“Mosaico”, por Lucas M. Carvalho

“Larguei o livro. Olhei para a coluna em frente, perguntando-me se cada uma daquelas pedras seriam a própria totalidade da coluna, ou toda casa, ou toda Fez, ou o Marrocos, a África, o mundo. Se seria eu. Se seria eu em todos os lugares e em todos os tempos, e se eu estaria em cadaContinuar lendo ““Mosaico”, por Lucas M. Carvalho”

Polistórias: Lugares

Uma das vantagens da literatura é, definitivamente, seu poder de imersão. Sentir o vento frio das estepes de Tchekhov, o cheiro forte da fumaça industrial de Dickens, os encantos da corte japonesa em Murasaki Shikibu. Defensor de uma arte cada vez mais ofuscada pelos brilhos sedutores da mídia visual – ainda que um defensor suspeitoContinuar lendo “Polistórias: Lugares”