Especial “Artes” – Vol. I

Quando voltamos nossos olhos aos dois poemas épicos de Homero, a Ilíada e a Odisseia, percebemos um começo bem semelhante, quase um ritual de abertura: “Canta-me, ó musa”. A invocação das filhas de Zeus com Mnemosine – ao menos em algumas das versões do mito – estabelece o clima solene da epopeia, o que cantaContinuar lendo “Especial “Artes” – Vol. I”

Literatura em tempos de epidemia

Aproveitando o momento de clausura que vivemos, nós, os autores do Poligrafia, resolvemos nos reunir para pensar em narrativas que tematizem a situação atual em que nos encontramos. Nasce desse desafio, “Poligrafia: pandemia sob foco”, com quatro contos centrados no tema da epidemia, com as mais variadas abordagens. Em “Luz Suprema”, Gabriel Sant’Ana nos introduzContinuar lendo “Literatura em tempos de epidemia”

O Surreal Faz, Não Faz, Faz, Não Faz Sentido

por Luciano Cabral Quando chamamos algo de surreal costumamos associá-lo ao bizarro, ao incomum, ao estranho e ao incoerente. Olhamos, muitas vezes, de modo torto para narrativas que não possuem uma sequência lógica. E o próximo passo é, quem sabe, deixar o texto de lado. Acontece que certos escritores, principalmente no início do século passado,Continuar lendo “O Surreal Faz, Não Faz, Faz, Não Faz Sentido”

Quando o jogo encontra o despropósito da vida

Um belo dia de uma infância distante eu fui surpreendido pelo que via na tela de um computador (desses bem antigos, com monitor de tubo, branco encardido, torre com leitor de disquete). Uma colega jogava algo muito diferente dos psicodélicos games de plataforma que compunham boa parte da minha experiência de entretenimento digital. Quando questionadaContinuar lendo “Quando o jogo encontra o despropósito da vida”

Recapitulando III – Lucas M. Carvalho

Esse é um tempo de rever o que foi feito. Para quem faz o que gosta, especialmente se esse trabalho demanda tempo, esforço e paciência, o momento de recapitular ou “prestar contas a si mesmo” tem um significado poderosíssimo. Ver os frutos do trabalho traz certo orgulho. O Poligrafia, projeto que começou com um grupoContinuar lendo “Recapitulando III – Lucas M. Carvalho”

Quem pode morrer em Far Cry?

Calma, não se trata de uma coluna de spoilers. Eu quero falar sobre aqueles que recebem as milhares de balas disparadas pelos protagonistas da franquia Far Cry. Comecemos entendendo o título e a proposta geral do jogo: Far Cry (do inglês far, distante, e cry, choro, grito, clamor) constitui uma série de games multiplataforma deContinuar lendo “Quem pode morrer em Far Cry?”

“Desculpa a mão”, por Lucas M. Carvalho

“A troca de bala não findava. Precisou recarregar de novo, o som rangente do ferro roçando, as cápsulas em encaixe. Ramón Silva, cinco metros à frente, parecia ter acertado um deles. Flores quis avançar, mas uma bala ou outra passaram ferozes, o barro do chão arrancado, grama pelo ar. Mais atrás, o uruguaio travou emContinuar lendo ““Desculpa a mão”, por Lucas M. Carvalho”

O horror e as novas tecnologias

Não é fácil escrever histórias de horror. Essa frase parece um contrassenso quando observamos a quantidade de filmes do gênero que todo ano inundam as telas do cinema – fora toda a produção underground que não alcança o grande ecrã. Tal fato se deve, em parte, à facilidade que se encontra em produzir-se obras comContinuar lendo “O horror e as novas tecnologias”

“A pedra da tristeza”, por Luciano Cabral

“foi quando a mãe percebeu que no lugar onde o filho sempre sentava pra esperar o pai, tinha uma pedra, a pedra tinha a forma e o tamanho do menino dela como quando ele sentava bem ali, ninguém conseguiu arrancar a pedra de lá, era pesada, teimosa demais, batizaram de pedra da tristeza” Houve umContinuar lendo ““A pedra da tristeza”, por Luciano Cabral”

“Um império cai, um soldado retorna”, de Pedro Sasse.

“Fileiras e fileiras preenchidas por iludidos. Iludidos que crescem e aprendem a apertar o gatilho e fazem o trabalho que antes as máquinas faziam… elas… elas e os clones tinham uma desculpa pelo menos, eram programados para aquilo… qual a sua desculpa pra puxar o gatilho, Nar? Que história bonita você conta pra si mesmoContinuar lendo ““Um império cai, um soldado retorna”, de Pedro Sasse.”