A literatura deve falar de estupro?

Por Luciano Cabral “[…] Pereba desceu as escadas sozinho. Cadê as mulheres?, eu disse. Engrossaram e eu tive que botar respeito. Subi. A gordinha estava na cama, as roupas rasgadas, a língua de fora. Mortinha. Pra que ficou de frozô e não deu logo? O Pereba tava atrasado. Além de fudida, mal paga. Limpei asContinuar lendo “A literatura deve falar de estupro?”

Caixas de sobra – Ep. 07

(Não viu os últimos capítulos ainda? Clique aqui!) O carro abandonou a velocidade do motor para entrar em colisão com o acaso. Todos os dias de sua vida se uniram em um mesmo ponto. Futuro e passado convergiram para a duração infinita daquele momento. O ponteiro do velocímetro marcou instantaneamente o número zero. Por todoContinuar lendo “Caixas de sobra – Ep. 07”

Caixas de sobra – Ep. 06

(Não viu os últimos capítulos ainda? Clique aqui!) vou contar mais um segredo, não vou mais voltar para aqueles olhos cansados, se o velho Cássio diz que é hora de retornar para o brilho no fundo da boca, o hálito que sai dela confirma a repugnância que ela me tem causado, eu devia tê-la chamadoContinuar lendo “Caixas de sobra – Ep. 06”

“Mosaico”, por Lucas M. Carvalho

“Larguei o livro. Olhei para a coluna em frente, perguntando-me se cada uma daquelas pedras seriam a própria totalidade da coluna, ou toda casa, ou toda Fez, ou o Marrocos, a África, o mundo. Se seria eu. Se seria eu em todos os lugares e em todos os tempos, e se eu estaria em cadaContinuar lendo ““Mosaico”, por Lucas M. Carvalho”

Polistórias: Lugares

Uma das vantagens da literatura é, definitivamente, seu poder de imersão. Sentir o vento frio das estepes de Tchekhov, o cheiro forte da fumaça industrial de Dickens, os encantos da corte japonesa em Murasaki Shikibu. Defensor de uma arte cada vez mais ofuscada pelos brilhos sedutores da mídia visual – ainda que um defensor suspeitoContinuar lendo “Polistórias: Lugares”

O que nos faz escrever bem: inspiração ou técnica?

por Luciano Cabral   A pergunta que faço hoje tem origem numa dicotomia instigante, embora espinhosa: escrever bem é fruto de inspiração ou técnica? Ou posso perguntar, mais filosoficamente, deste modo: nascemos escritores ou nos tornamos escritores? No poema Theogonia, de Hesíodo, as Musas são personificações da memória absoluta (por transmitirem o passado) e daContinuar lendo “O que nos faz escrever bem: inspiração ou técnica?”

Caixas de sobra – Ep. 05

(Não viu os últimos capítulos ainda? Clique aqui!) “O produto está errado.” A frase ecoava na minha cabeça sem parar.  “O produto está errado”. Errado como? Com defeito? Não era isso que você queria? Eu devia ter perguntado por telefone, mas quanto menos se fala nessas circunstâncias, maiores são as chances do comprador desistir daContinuar lendo “Caixas de sobra – Ep. 05”

Caixas de sobra – Ep. 04

(Não viu os últimos capítulos ainda? Clique aqui!) Inescapável, é o que se diz de algo para o qual não há retornos ou contornos que possibilitem alternativa diferente. Apenas um único caminho. As blackouts estão alinhadas de forma a impossibilitar que me vejam. Apenas um único caminho pode trazê-lo aqui, e é pelo lado parContinuar lendo “Caixas de sobra – Ep. 04”

Autor convidado: Leonardo M. A. Pinheiro

“Escrevo porque viver não basta, tem que ir além”. Isso pode inclusive soar poético em mentes tendentes ao gênero. Mas partindo de mim… não sei. Lances de poesia não perfazem muito minha jovem obra, ou pelo menos assim enxergo. Não que me negue, ou as negue, mas que desde já assumo a falta de intençãoContinuar lendo “Autor convidado: Leonardo M. A. Pinheiro”

Caixas de sobra – Ep. 03

(Não viu os últimos capítulos ainda? Clique aqui!) O velho Cássio marca 18:35. O Garçom entra. “Tudo bem, com o senhor?”. A porta do banheiro está entreaberta. A cabine vazia. Um grande pedaço de merda, disfarçado de gato de Cheshire, sorri na privada. O coração está acelerado. O corpo sua em regiões ignoradas por umContinuar lendo “Caixas de sobra – Ep. 03”