O Surreal Faz, Não Faz, Faz, Não Faz Sentido

a lua vem da asia poligrafia campos de carvalho

por Luciano Cabral

Quando chamamos algo de surreal costumamos associá-lo ao bizarro, ao incomum, ao estranho e ao incoerente. Olhamos, muitas vezes, de modo torto para narrativas que não possuem uma sequência lógica. E o próximo passo é, quem sabe, deixar o texto de lado.

Acontece que certos escritores, principalmente no início do século passado, exploraram esse tipo de narrativa, e produziram coisas bem interessantes.

O movimento Surrealista tem seu início oficial a partir do manifesto escrito pelo francês Andre Breton, em 1924. Sua proposta, muito calcada nos achados de Sigmund Freud, era difundir uma arte que não passasse pelo crivo da organização, da lógica ou da razão, que fosse produzida da exata maneira como aparece no pensamento: caótica, ilógica e tendendo ao onírico.

Aqui no Brasil, algumas obras flertaram com esse gênero. É o caso de Macunaíma, de Mário de Andrade, e de poemas de Murilo Mendes (que abraçou, como ele próprio diz, um “surrealismo à moda brasileira”). Mais tarde, Campos de Carvalho é o que, talvez, melhor abarcará o gênero com seus romances A Lua Vem da Ásia (1956), Vaca de Nariz Sutil (1961), A Chuva Imóvel (1963), e O Púcaro Búlgaro (1964).

“Chuva, chuva, chuva.

É a primeira chuva a que assisto da minha janela de hóspede – neste verão que bem pode ser a primavera, pois não tenho noção do tempo nem disponho de bússola para me guiar entre as horas do dia ou da noite. Ontem o deputado que se senta ao meu lado na mesa garantiu-me que estávamos em agosto, a até fez o sinal-da-cruz sobre o peito para demonstrar-me que não estava mentindo; mas eu tenho minhas dúvidas a respeito, e continuo acreditando que não estamos sequer em janeiro ou em março, pois o rio que ouço a distância continua a caminhar para a direita e só com a chegada da primavera é que ele se volta para a esquerda e se torna realmente belo.

Presumo que aqui me encontro aproximadamente há uns vinte anos, ou uns cinco pelo menos, pois já me habituei com a cama, as cadeiras e a mesinha-de-cabeceira, e não sou de me habituar muito depressa com as coisas. Eu poderia, bem sei, perguntar ao criado ou à criada que me servem todos os dias, ou mesmo ao próprio gerente do hotel, ou ainda à sua jovem esposa tão louçã e já tão vesga, o tempo exato em que aqui me encontro e o mês e o ano em que porventura estamos vivendo nesta fria noite de chuva; mas tenho receio de que eles me tomem por um maníaco que está sempre a querer saber as coisas, eu que tenho fama de tão discreto de tão educado, e prefiro morrer sem saber o dia da minha morte a ter que causar-lhes tamanha decepção.”

Este trecho é o início da segunda parte do romance A Lua Vem da Ásia. Este capítulo é intitulado “Capítulo 18º” (ainda que não tenhamos lido 17 partes anteriormente). O mais interessante desta narrativa surrealista é a presença da coesão, mas a pouca coerência, o que torna a leitura, de fato, caótica – mas não totalmente. É possível encontrar um crescendo, uma sequência de acontecimentos.

Aqui, o que é interessante é nós leitores ligarmos o caótico e o não-caótico, achando lógica no que é, aparentemente, ilógico. Ou melhor, encontrando sentido em algo que, num primeiro momento, parece não ter. Mostrando como o surreal é, muitas vezes, uma faceta da realidade.

É de certa forma um trabalhoso exercício de leitura e um igualmente trabalhoso exercício de escrita. Mas o estilo debochado, por vezes coloquial e em tom de conversa leva-nos a seguir em frente.

Vale a pena dar atenção ao Surrealismo, que me parece hoje, bem pouco difundido ultimamente – tanto ao leitor quanto ao escritor.

Escrever como um Animal

o chamado selvagem jack london poligrafia

O título do post é certamente uma brincadeira. Mas vale a pena perceber que não é nada fácil escrever uma história na perspectiva de um animal. E não estou falando de fábulas, como as de Esopo, por exemplo. Nestas, o animal possui características humanas: fala, pensa, dá conselhos, retruca, planeja, faz intrigas. E também não estou falando de romances como A Revolução dos Bichos, de George Orwell, em que animais de uma fazenda rebelam-se e tomam o controle do lugar. Aqui, há também animais comportando-se como humanos – incluindo o “andar sobre duas patas”, lá pelo fim da narrativa.

O que vale perceber é o quão interessante – e desafiador – é construir uma história na perspectiva do animal. E isso cabe dizer emular comportamentos, escolhas, reações e desejos que um animal pode ter.

O romance O Chamado Selvagem (na minha opinião, é a melhor tradução para o título original “The Call of the Wild“), de Jack London, é um ótimo exemplo de como uma história pode ser contada nessa perspectiva. Neste caso, um cão.

A narrativa está, do início ao fim, em terceira pessoa. Isso faz com que não se precise fazer o animal falar (como nas fábulas), o que permite que o romance não perca ser caráter verossímil. Buck, o protagonista, é um pastor alemão que, após ser roubado de uma família californiana, é levado para o Alaska. Agora em território inóspito e hostil, ele precisa se adaptar às novas condições – até que, enfim, começa a ouvir o “chamado selvagem” e seu comportamento muda radicalmente.

Era inevitável que a luta pela liderança ocorresse mais cedo ou mais tarde. Buck a desejava. Queria lutar pela chefia, porque esta era a sua natureza, porque ele tinha sido capturado firmemente por aquele orgulho sem nome e incompreensível da trilha e dos tirantes – aquele orgulho que prende os cães no trabalho até o último fôlego, que os leva a morrer alegremente em seus arreios e que lhes parte os corações se forem cortados deles“.

O romance é repleto de cenas violentas, sejam elas entre os humanos, entre os cães, ou o embate entre ambos. Buck aprende a sobreviver à “lei do porrete” e depois impõe “a lei das presas” dos seus dentes caninos. Não há um só momento em que a narrativa se afaste da perspectiva do cão. Atado a ela, nós acompanhamos suas frustrações, seus embates, seus sonhos e seus desejos. Há certos momentos em que o comportamento de Buck parece assemelhar-se ao comportamento humano – como no trecho acima. Entretanto, a rusga entre ele e o cão Spitz lembra-nos que desejo de liderança não é exclusividade de nós humanos.

Como disse, O Chamado Selvagem  é um ótimo exemplo de uma narrativa estritamente ligada a um cão. E aqui fico me perguntando como seria algo assim na perspectiva de um outro animal, como uma tartaruga, uma águia, um elefante, um verme…

Recapitulando II: Luciano Cabral

Já que, até aqui, nós produzimos um bom punhado de histórias, resolvemos recapitulá-las em três partes. Pedro Sasse foi o primeiro a rememorar suas ficções e Lucas M. Carvalho será o último. Neste momento, sou eu, Luciano Cabral, quem tenho a palavra.

Quando decidimos criar o Poligrafia, tínhamos dois projetos em mente: 1. O Caixas de Sobra, um romance seriado escrito, em conjunto, por todos os autores do Poligrafia; e 2. Os Contos Temáticos, histórias criadas com base em temas. No fim das contas, escrevemos sobre nove temas: Terror, Mundo, Crime, Confinamento, Sci-Fi, Amor, Perspectivas, Releituras e Regionalismos.

20131224_172544

O Caixas de Sobra conta a história de um homem, de meia idade, que, após ter vivido entre caixas, produtos e entregas por tantos anos, decide largar sua família e carreira pra trás. Seu destino era construído a cada novo capítulo, mas seu passado sempre nos assombrava. Digo isso porque, escrito por cinco mentes, todos tínhamos que estar muito atentos ao conjunto pra que não houvesse contradições ou repetições. Esta empreitada nos ensinou a importância da comunicação. Foi preciso que estivéssemos em constante contato uns com os outros pra que pudéssemos entregar algo satisfatório. Além do mais, foi preciso aprender a ceder, pois o que se tinha construído num capítulo poderia ser desconstruído em outro.

Em comparação, os Contos Temáticos foram criações individuais. Havia um tema, previamente proposto, mas a história era escrita isoladamente, cada um produzia a sua.

O conto de Terror que escrevi, “Carne de Bicho, Carne de Gente”, emerge numa sociedade distópica, onde os personagens carnívoros valem-se de outros meios (não mais de procedência animal) pra conseguir carne.

O conto “Via Dolorosa”, pro tema Mundo, reconta os passos de Maria, Salomé e Madalena pelas treze estações da cruz, após a morte de Jesus Cristo. A história, do início ao fim, é contada através do diálogo das três personagens, como uma peça teatral, porém sem as rubricas.

Em “Eu Sei Que Não”, escrito pro tema Crime, um psicopata quer, a todo custo, transformar um heterossexual em homossexual. Pra isso, ele acorrenta sua vítima e discursa sobre as vantagens de ser obediente.

No tema Confinamento, nós decidimos que haveria um ambiente comum – um vagão de metrô – e um situação misteriosamente mortal a ser enfrentado. O meu conto “Momentos Felizes que Foram Devorados”, explorou a saga de um casal de músicos itinerantes. Desaparecimento, fumaça, barulhos inexplicáveis e conflitos humanos culminam num desfecho alucinatório de muitas dúvidas e poucas respostas.

No tema Sci-Fi, “Ovelhas Elétricas” foi escrito como um certo spin-off de Androides Sonham com Ovelhas Elétricas? [ou Blade Runner]. Uma mistura de terceira e primeira pessoa, o conto concentra-se em uma androide que precisa dominar sua capacidade de seduzir humanos pra conseguir sobreviver entre eles.

“Ainda Não”, escrito pro tema Amor, mescla personagens literários e cinematográficos, filósofos, uma prostituta e um cliente que parece não estar ali em busca de sexo. Escrito em formato de peça teatral, o conto oferece momentos tristes e cômicos.

No tema Perspectivas, eu direcionei meus holofotes pra religião mais uma vez. O conto “Tentação”  ficcionaliza o encontro entre Jesus e o Diabo. Desta vez, no entanto, é o Diabo que traz sua versão da tentação. Segundo ele, é Jesus que, querendo se promover a qualquer custo, mente e espalha todo tipo de injúria contra alguém que estava apenas tentando descansar em paz.

As Releituras que fizemos de outras histórias me rendeu o conto “O Chapéu Novo de Amélia”. Revisitando a famosa narrativa de Chapeuzinho Vermelho, eu apresentei uma menina bem esperta – e mimada – que foi capaz de sacrificar a própria avó pra obter um chapéu novo como presente de aniversário. Vários dos elementos da história tradicional foram mantidos, mas o plano de Chapeuzinho, entra como um componente surpreendente na minha versão.

Por fim, pro Regionalismos, publiquei um conto de pescador que havia escrito anos atrás. “A Pedra da Tristeza” reúne causos sobre o mar, tarrafas, conselhos e um menino que, de tanto esperar o pai voltar, transforma-se em pedra – e em lenda.

Faz pouco tempo, também começamos a escrever, em pequenas colunas quinzenais, sobre Cinema, Jogos e Escrita. A parte que me cabe é esta última. Nas minhas colunas, falo do ato de escrever, de textos literários atemporais e de abordagens narrativas, por exemplo.

Pra vasculhar os meus textos aqui no Poligrafia, basta clicar nos títulos que aparecem aí em cima.

 

Quer uma dica sobre o que assistir neste fim de semana? Experimente “Ares”.

ARES

por Lucas Carvalho

As distopias têm passado por maus tempos. Com a recente popularização do gênero, inclusive entre o público adolescente, não surpreende nos depararmos com títulos que abordam “temas profundos”, mas não conseguem nem de longe causar o impacto que pretendem.

Na indústria estadonidense, por exemplo,  são poucas as produções de distopias que realmente valham a pena. Uma amostra dessas poucas é o magistral retorno de Mad Max, em 2015. Mas o que mais tivemos de realmente bom de lá pra cá?

Talvez por isso, os olhos do público voltem-se para filmes não-americanos, como o coreano-francês Expresso do Amanhã [Snowpiercer], ou filmes pelo menos baseados em premissas para além da terra do tio Sam, como O Vigilante do Amanhã [Ghost in the Shell]. A propósito, porque será que os tradutores brasileiros gostam tanto de colocar o termo “do amanhã” nos títulos?.

A verdade é que, no meio de algumas dessas produções, podemos encontrar verdadeiras pérolas. Creio que esse seja o caso do filme francês Ares.

Dirigido por Jean-Patrick Benes, e contando com a atuação de Ola Rapace e Micha Lescot, Ares foi capaz de criar um mundo futurista e pessimista surpreendentemente convincente.

Ares é o nome artístico de um decadente lutador de um show de televisão estilo UFC, que teve o fim de seus dias de glória há dez anos, após um AVC causado pelo efeito colateral de uma droga estimulante, da qual foi cobaia. Numa Paris arruinada, imersa em instabilidades políticas, onde um corporativismo desumano toma conta de tudo, Ares precisa lidar com problemas do cotidiano: familiares envolvidos em grupos revolucionários criminalizados, violência urbana, miséria. A solução para seus problemas surge quando uma nova droga, compatível apenas com seu sangue, faz com que o interesse de uma grande corporação recaia sobre sua carreira.

O background é perfeito. A cidade emana uma atmosfera que poucas distopias conseguiram atingir. Os personagens são persuasivos e cativantes. O enredo é bem amarrado, interessante, tenso e com boas cenas de ação. Em suma, Ares tem todos os ingredientes para ser um dos melhores filmes do gênero.

E, a boa notícia, pode ser facilmente encontrado no catálogo da Netflix.

“Mostrar” sexo ou “Dizer” sexo, por Luciano Cabral

MadhyaPradesh poligrafia sexo

A BOA DIETA

Carlota dissera ao seu doutor / Que lhe agradava, de manhã, fazer amor, / Embora à noite a coisa fosse mais sadia. / Sendo ela prudente, resolveu / Fazê-lo duas vezes ao dia: / De manhã, por prazer / De noite, por dever.

Von Logau (1605-1655)

EPIGRAMA

Amar, foder: uma união / De prazeres que não separo. / A volúpia e os desejos são / O que a alma possui de mais raro. / Caralho, cona e corações / Juntam-se em doces efusões / Que os crentes censuram, os loucos. / Reflete nisto, oh minha amada: / Amar sem foder é bem pouco, / Foder sem amar não é nada.

La Fontaine (1621-1695)

Estes dois poemas do século XVII abordam o mesmo tema. Mas fazem-no de maneiras distintas. Os versos do poeta alemão Von Logau não abordam a relação sexual de forma tão explícita quando os de La Fontaine. “Epigrama” é mais direto e lança mão de palavras mais contundentes ao diferenciar e (pra logo em seguida) unir os dois atos sexuais.

Por outro lado, “A Boa Dieta” acontece num espaço público (pois Carlota está num consultório médico) e, por isso, é mais comedido. Carlota não fode, mas “faz amor”; e é “prudente” na sua conduta. E por conta de sua prudência, a confissão de sua traição nunca fica explícita. Podemos apenas inferir que ela trai por conta do prazer que ela sente ao fazer amor pela manhã (com o amante, quando o marido está ausente) e do dever de fazê-lo à noite (com o marido, quando este retorna).

Estes dois poemas são exemplos de um recurso narrativo importante: mostrar e dizer. Saber o momento de mostrar uma ação sem dizê-la explicitamente (ou o contrário, dizê-la abertamente) é uma técnica que requer ponderação e equilíbrio. Se o escritor der tudo de bandeja, a história pode se tornar enfadonha e o leitor talvez sinta-se menosprezado, tratado como alguém que não saber ler nas entrelinhas. Em contrapartida, se o escritor não der o suficiente, a história pode ficar obscura e incompreensível – e tão enfadonha quanto se tivesse sido dita.

Nas cenas de relações sexuais, saber quando mostrar ou quando dizer faz com que a história apresente o sexo como parte da trama, e não como adereço.

Em Memórias Póstumas, a relação sexual de Brás Cubas e Virgília é mostrada. A palavra “sexo”, por exemplo, não está lá. A relação apresenta-se (e o título do capítulo indica) na repetição incessante de seus nomes. É possível imaginar a respiração ofegante do casal através das reticências na página.

De outro modo, em várias histórias de Rubem Fonseca, encontramos o ato sexual sendo dito. A palavra “fodemos” (e nada mais) é que aparece pra descrever o sexo. Num estilo que se quer rápido, muito realista e brutal – muitas vezes, com personagens rudes e comportamentos desapaixonados – narrar a relação sexual desta maneira faz todo o sentido literário.

Mostrar sexo ou dizer sexo é, certamente, uma questão de escolha. Mas esta escolha não é aleatória. O objetivo do ato sexual na trama é que garante a eficácia da cena. Caso contrário, o sexo fica sendo apenas uma desculpa recheada de tons de cinza.

Luciano Cabral

A Chegada (2016)

a-chegada

Quebrando a expectativa dos filmes de invasão alienígena produzidos até então, A Chegada, dirigido por Denis Villeneuve, não se detém em cenas de caos e de reações histéricas frente à ameaça. Pelo contrário, os acontecimentos são tratado de forma sutil e pessoal, sob a perspectiva da doutora Louise Banks (Amy Adams), uma linguista renomada contactada por militares para traduzir os ruídos produzidos pelos seres do espaço.

A dúvida que alimenta o longa metragem – em torno das 12 naves que pousam ao mesmo tempo em diferentes pontos da Terra – é saber a intenção destes seres. Sem grandes manifestações agressivas, as naves apenas esperam a entrada de humanos para um breve e confuso contato. Uma câmara dividida por uma película, através da qual é possível ver a densa atmosfera dos alienígenas, é o cenário de todas essas interações, que se repetem e progridem dia após dia. Os seres são chamados de heptapodos, por possuírem sete pernas. Eles possuem dois tipos de linguagem: uma falada, que é descrita como não tendo ordem de palavras, e uma escrita, baseada em formas circulares. A segunda forma é essencial para a compreensão da trama.

Todo o desenvolvimento do contato é acompanhado por uma crescente desconfiança, fruto das experiências passadas da própria humanidade, em que todo o encontro de civilizações resultou na subjugação do grupo menos desenvolvida. Forças militares acreditam que as 12 naves almejam colocar as nações umas contra as outras, para que a própria raça humana possa mostrar-se mais frágil.

Durante a primeira metade do filme, talvez seja difícil ligar os pontos do enredo sem um conhecimento de linguística. Conforme a doutora Banks progride na compreensão da linguagem dos heptapodos, são mostrados princípios como a hipótese de Sapir-Whorf (que estabelece uma ligação entre a língua e a forma de organizar o pensamento, afetando diretamente a percepção de mundo do falante); ou o funcionamento da primeira articulação da linguagem. Contudo, por mais que haja certas dificuldades, ao fim da trama tudo se esclarece.

O enredo vale-se, desde o início, de explorar um drama pessoal da protagonista. A forma como esse drama se encaixa no enredo maior, num jogo entre passado e futuro, é simplesmente genial. Conforme a doutora Banks aprende a linguagem dos heptapodos, sua compreensão do tempo muda, fazendo passado, presente e futuro serem um só. Assim a conexão entre língua e cognição torna-se transcendente.

A tudo isso soma-se uma bela fotografia, boas atuações e um design interessante para as naves e para as criaturas. Numa cena específica, quando finalmente dão indícios de suas verdadeiras intenções com a visita à Terra, os alienígenas são reveladas de corpo inteiro.

Um dado pertinente: o filme é baseado no conto “A História da Sua Vida”, de Ted Chiang.

Lucas M. Carvalho

Caixas de Sobra – Ep. 34

[Ainda não leu os episódios anteriores? Clique aqui]

snake-1522257_960_720

fonte: https://cdn.pixabay.com/photo/2016/07/16/16/20/snake-1522257_960_720.jpg

uma serpente cruza o caminho de Passos, ele cruza os dedos lembrando as contas do rosário, sibila um verso da oração antiga, vade retro

a serpente continua seu rastejar em busca de

alguma centelha de esperança que se esforça por se manter viva, não foi para isso que dera a palavra? agora o problema é lutar pela vida, ainda haveria tempo para? pela vida de Angélica, já se distanciaram alguns metros da pedra sacrificial, ou do possível milagre, parece ouvir os fracos batimentos de um corpo em vias de se extinguir, mas confia nos ventos salutares da madrugada, futuro sopro revigorante

falaria ao chefe

Na mente de Santos Passos, Simeão ricto imparcial ainda acompanha o movimento, por que essa expressão?, continua seguindo os passos do gordo que ainda foge pela viela, vira à esquerda, entra num dos barracos, Passos e Simeão agora correm qual anjos justiceiros, viram à direita, a noite se adensa sobre os corpos, os ventos emitem sussurros de chuvas em aproximação, algumas gotas se precipitam sobre ambos que se apressam em direção ao chefe

perguntaria a ele, talvez exigisse, não, não, não poderia exigir estando naquela situação, Angélica ali reforça sua condição

por Gabriel Sant’ana

E não perca, na próxima quarta, às 20h, mais um episódio de Caixas de Sobra.

Caixas de sobra – Ep. 32

[Quer ler os episódios anteriores? Clique aqui]

A mata se adensa. Não é a primeira vez. As folhas cortantes dão lugar a um ajuntamento de copas baixas e retorcidas. Não ouve mais o barulho de motor. As pernas bambeiam. Há desníveis do solo coberto por folhas secas e frutas podres. Os insetos revoam. Relutam. Invadem o nariz, os olhos, os ouvidos. A estradinha de terra batida está longe. Não há sinal da trilha em meio aos troncos estrangulados por cipós. Em suas costas, o peso de Angélica é o mesmo de todos os pecados do mundo. Enquanto as vozes formigam e ficam para trás, Santos Passos ouve um resmungo de bolhas. Seus pés tropeçam. O som de línguas d’água lambendo as pedras se intensifica.

– Rio – sussurra Angélica com voz de vapor em seu ouvido. O hálito está frio.

Atiraram uma vez. As lanternas iluminaram o nada. Onze pontinhos fragmentados na distância. Nenhum ruído. Até feras temem o furor desprendido no cheiro daqueles que vem atrás. Alguém liga uma caixa de som. Não dá para saber qual música, mas é Elvis. Com certeza é Elvis. Simeão gosta de ouvir no máximo. Na última vez foi Love me tender. Pôs Elvis alto no rádio e afundou o crânio de um amigo com uma garrafa de whisky. Mas desta, provavelmente, é My way, Santos tem certeza.

Outro disparo, oco.

Tenta por um segundo ouvir a respiração enfraquecida. Não ouve nem sente nada, mas não interrompe a marcha. As costas estão empapadas de sangue. Escorrendo pelas nádegas e fazendo as coxas colarem na calça. Se ainda escorre é porque está viva, pensa.

O chamado das águas se intensifica. Pronunciam a primeira letra do seu nome. Ele sibila como uma cobra dormente. Santos atinge uma ladeira que antecede a margem do rio. Santos desce a ladeira coberta por raízes e sente a lama grudar nas canelas. Segue o contra fluxo das águas ignorando os galhos de plantas subaquáticas que perfuram as panturrilhas. Não olha para trás. Ignora a ausência de ruídos e o sangue frio de Angélica. Poderia descobrir que está morta. A margem se torna completamente íngreme. Não há outro caminho além da água. Não há como ignorar o seu chamado. Seguir pela água até a cintura. Enfrentar a correnteza até sabe lá São Cristóvão lhe permitiria. Não será a primeira vez.

Jonatas T. Barbosa

Não perca, na próxima quarta, 20h, mais um episódio de Caixas de Sobra.

Caixas de Sobra – Ep. 26

gun-poligrafia-caixas-de-sobra

Por Rahulbarfa. (Disponível em: http://www.deviantart.com/art/Gun-320936740)

Os músculos dos ombros se contraem. A respiração fica mais tensa. Os lábios se comprimem. Não é um ruído ou um som de carro, mas a fisiologia dos homens que anuncia a chegada do chefe, como leões que se retraem com a aproximação do alfa. Os homens estão menos expansivos; eu já quase não existo. Seguro a caixa que devo entregar, uma caixa que desconheço o conteúdo. Pra mim, que conheço o peso e o poder de uma caixa, há ali uma imensidão.  

Então as vozes se multiplicam sobre mim em enxurrada.

            – Então é esse aí?

            – Sim, chefe.

            – Teu nome é Passos, né?

            Resmungo.

            – Relaxa. Tu sabe que os caras andam falando muito de você. Mas a galera da comunidade disse que tu é tranquilão mesmo.

            – Eu só tô morando por lá agora…

            – Não fica assustado. A gente só pergunta porque quer saber. Aquela gente precisa de alguém pra por ordem. E não é toda hora que chega alguém de fora, com a polícia atrás.

            Percebo que ele segura uma arma, como um brinquedo, parece leve nas pontas dos dedos.

            – Isso daí é pra mim?

            Confirmo e entrego tão rápido como se estivesse queimando minhas mãos. Ele abre com uma delicadeza muito maior do que eu esperava, rasgando a fita ao redor. Eram eletrônicos. Eletrônicos. Peças e celulares e CDs. O suor escorre de meu rosto e eu sinto que ele debocha de mim. Num CD pode caber a imensidão.

            – Então, cara, vai falando. A gente quer sabe tudinho. Tem gente espreitando aí. Aqui tu tá seguro. Mas a gente só quer saber que bicho que botamos pra dentro de casa.

            Busquei o olhar de Angélica, mas não o encontrei.

            – Tinha gente procurando por mim? Além da polícia?

            – Cacete, quem é que tá fazendo pergunta aqui? A verdade é que tu pode ser um problema. Eu só quero descobrir se tem um bom motivo pra não te mandar pra lá de volta, vivo ou morto. Então pode contar. Conta tudo. Tudo.

Lucas M. Carvalho

Não perca, na próxima quarta, 20h, mais um episódio de Caixas de Sobra.